UP, Aventuras ILIMITADAS

Samanta Peçanha

JCD - Divulgação

A Animação UP é indicada para toda a família. O filme do segundo semestre de 2009 foi dirigido e escrito por Pete Docter e Bob Peterson; produzido por Jonas Rivera e tem trilha sonora de Michael Giacchino. O diretor juntamente com John Lasseter e Andrew Staton, produtores executivos, criaram “Toy Story” um e dois, e “Vida de Inseto”. Com um enredo leve e divertido para as crianças, “UP” possui detalhes que encantaram os adultos da sala.

O protagonista desde criança é apaixonado por aventuras e balões. Assistia sempre aos filmes de Charles Muntz e torcia pelas suas conquistas, mas ficou decepcionado quando uma das descobertas de seu herói foi considerada uma fraude. Ainda na infância conheceu Ellie, uma garota tagarela, que possuía o mesmo espírito aventureiro e se tornou sua companheira de toda a vida. A história começa quando Ellie mostra seu livro de aventuras para o seu mais novo amigo: Carl Fredricksen (o protagonista).

Uma casa bem colorida, assim como a capa do seu livro, no alto de uma cachoeira era o sonho desta menina. Anos depois e casados, enfrentam os problemas e alegrias da vida a dois, na casinha de várias tonalidades de suas infâncias. O sonho deles é ter um filho. Preparam o quarto da criança bem alegre e colorido, mas Ellie perde o bebê. Continuam suas vidas, mas com um novo sonho: viajar para a terra das cachoeiras. Pintam o desenho do livro na parede e começam a juntar dinheiro. À medida que surgem os imprevistos, o dinheiro para a viagem tem que ser utilizado. O desejo de conhecer essa terra só começou a se concretizar quando Carl compra duas passagens para a Venezuela. Quando ia contar a novidade para a sua amada, ela adoece e o protagonista se encontra sozinho.

Fredricksen calado a maior parte do filme, começa a falar depois da morte de sua companheira e assim mesmo, na maioria das vezes, fala com ela. No dia em que sua vida irá mudar, Russel, um pequeno escoteiro de 8 anos explorador da natureza bate a sua porta com o intuito de ajudar a um idoso. Muito amargurado, ele recusa a ajuda e despacha o menino que só quer mais um botton para sua coleção. Após ter machucado um funcionário de uma empresa interessada em comprar a sua casa e como pena judicial ser mandado a um asilo, decidiu ir à terra das cachoeiras em sua residência alçada por balões de várias cores. Já a caminho de “sua terra prometida”, o pequeno Russel bate a sua porta e faz companhia ao senhor de idade pelo resto da viagem. Ao chegar lá Charles, juntamente com Russel, vivem várias aventuras. Charles encontra além de sua inspiração da infância, a razão para a sua vida.

A história gira em torno de Carl. Uma criança muito calada, mas bem carismática. Ainda na infância conhece a mulher de sua vida. Ela o completa, pois fala tudo o que ele, durante uma boa parte do filme, não abre a boca para falar. Na verdade, ele não precisava se expressar já que ela fazia isso por ele, muito bem, desde o primeiro dia em que se conheceram.

Eu gostei muito de como os roteiristas, Pete Docter e Bob Peterson, retrataram a vida de casados. De uma maneira sutil mostrou a desilusão da perda de um filho, as dificuldades financeiras e até a morte de uma pessoa amada. Tudo com muita sutileza e uma fotografia excelente. Na terra das cachoeiras, a companhia do pequeno Russel fez o coração deste idoso de 78 anos amolecer. Essa criança se encantou por uma ave gigante, com um gosto especial por chocolate, a qual apelidou de Kevin. Essa ave é extremamente colorida e mais a frente vai ser explicado o porquê de enfatizar tanto as cores.

Após encontrar um cachorro que fala, os três personagens seguem este senhor tão solitário em sua meta de morar em cima da cachoeira. No meio do percurso, eles são abordados por Charles Muntz que se mostra muito solicito no início, mas depois revela a sua verdadeira conduta ambiciosa. O tesouro é Kevin, que vai restaurar a sua credibilidade perante a sociedade.

O que pude perceber com clareza é que tudo o que realmente é importante para cada personagem é muito colorido. O livro de aventuras; o quarto do bebê tão sonhado; a casinha no alto da cachoeira; a própria casa deles; a coleção de bottons de Russel; os balões e Kevin.

O livro é uma fuga da realidade para Ellie que se refugia neste sonho para ter para o que viver. Tanto que no final de sua vida, a maior aventura foi se casar com Carl, que se tornou a meta realizada e o quarto, por guardar uma coisa muito desejada: um filho. A casa também, por ser o sonho de um refúgio feliz. Os bottons, por ser a única coisa que liga Russel ao seu pai ausente – se conseguir mais um, acredita que conquistará o amor deste. Os balões por serem um meio de trabalho por vários anos, e um objeto de resgate de um destino certo: o asilo.

Com uma fotografia perfeita; personagens que acrescentam; um roteiro excelente e formato 3D, não é a toa que “UP, Altas Aventuras” é um sucesso entre os profissionais de animação e as bilheterias de todo o mundo.

Assista ao trailer: http://www.youtube.com/watch?v=hwxqLjspkDI

Morre o Rei do Pop

Michael Jackson morre aos 50 anos.
Deixa três filhos e uma legião de fãs desolados.

Samanta Peçanha

Aplauzos JCD - Divulgação

Aplauzos JCD - Divulgação

Michael Jackson morre em sua casa em Los Angeles, Califórnia, no último dia 25 às 16h21 horário de Brasília. Vítima de uma parada cardíaca o cantor de 50 anos era dependente de analgésicos. Em julho de 2009 o astro começaria a sua turnê em Londres com um total de 50 shows, já com ingressos esgotados. Um dos motivos que o cantor alegou para voltar aos palcos é que agora os seus filhos poderiam vê-lo em um show.

Vários artistas se espelham na obra desse grande ícone mundial para compor as suas carreiras. Um grande exemplo é o cantor Justin Timberlake que assume ser fã incondicional de Michael e ao saber de seu falecimento escreveu em sua página no Twitter: “ele tem sido a inspiração para múltiplas gerações e eu sempre vou lembrar com carinho os momentos que dividimos no palco, tudo que aprendi sobre música com ele e o tempo que passamos juntos”.

Além de ser um cantor que conseguia ser agressivo nos agudos com falsete, e ao mesmo tempo cantar com docilidade quando necessário era um exímio dançarino. O passo de dança que todos lembram ao falar de Michael Jackson é o famoso Moon Walker. Ele já aparecia timidamente nos anos 40, mas foi com o rei do pop que ganhou passadas mais largas e “alcançou” a fama.

Seus shows eram cheios de efeitos especiais que levavam o público a loucura e não foi apenas em seus espetáculos que ele inovou. O astro virou referência quando o assunto era videoclipe. Trhiller foi uma febre para a época por apresentar o formato de curta metragem e ser dirigido por um famoso cineasta.

Um artista negro que começou na infância com os irmãos. Era duramente pressionado pelo pai. Foi incentivado por Diana Ross e teve nela a sua maior influência. Várias vezes protagonizou escândalos e sucessos. Quebrou a barreira de negro e branco, homem e mulher. Manteve a majestade por décadas com 9 discos solo, gravou o seu nome não só na memória, mas no coração de várias gerações.

‘O Cinema Marginal’

Elaine Siqueira

Aplauzos JCD - Divulgação

Cinema Marginal é um curso ministrado pelo professor e cineasta Sérgio Moriconi no Espaço Cultural Renato Russo – 508 Sul.

Durante o curso, serão exibidos e comentados os principais filmes do movimento como: ‘O Bandido da Luz Vermelha’, ‘Meteorango Kid’, ‘Bang Bang’, ‘Matou a Família e foi ao Cinema’, Os Monstros de Babaloo’. Continue lendo

Dance, Dance, Dance!

Erick Arruda e Renata Carrijo

Na quarta-feira 3 de junho, alunos do curso de Educação Física da UCB e a professora Nilza Martinovic promoveram no auditório central da Universidade Católica o XV Festival de Dança.

Continue lendo

‘Apenas o Fim’ entra no circuito Rio – São Paulo – Brasília

Leandro Morais

O cinema nacional tem emocionado grandes públicos nos últimos anos, graças a criatividade da produção brasileira. Depois de Se eu fosse você, e andando lado a lado do lançamento de A mulher invisível, vem o filme Apenas o fim, do estudante universitário Matheus Souza.

apenas

Aplauzos JCD - Divulgação

O jovem brasiliense, estudante de Comunicação Social da PUC, conseguiu a proeza de produzir um longa com apenas oito mil reais, uma renda escassa para a realização de uma obra audiovisual.

Apenas o fim, conseguiu entrar no circuito alternativo no Rio, São Paulo e Brasília. A comédia promete bons momentos, seja com risadas ou com reflexões sobre a geração dos anos 90. Os protagonistas da história são uma garota descolada e um nerd. O desenrolar do enredo é baseado na última hora do casal, antes da garota (Erika Mader) ir embora.

 

Elas ENcantam Roberto e a todos!

Taís Cerutti

Em comemoração às Bodas de Ouro do cantor e compositor Roberto Carlos, suas escolhidas divas, ENcantaram para lhe prestar uma merecida homenagem, no dia 31 de maio, domingo após o Fantástico.

O furor que o espetáculo causou foi tamanho que, em 26 de maio, os ingressos já haviam esgotado.

foto divulgação
Aplauzos JCD – Foto divulgação

Continue lendo

Consciência que não pode secar

JCD/Thiago Fagundes

JCD/Thiago Fagundes

Thiago Fagundes

A Lei Seca comemora esta semana um ano de vigência e de afrouxo das rédeas. A Lei nº 11.750 está em vigor desde 20 de junho de 2008, em todo território nacional. A Lei determina que todos os motoristas que forem flagrados depois de beber estarão sujeitos a multas e suspensão da carteira de habilitação por 12 meses, além de prisão em casos mais graves. Isso até funcionou nos primeiros meses da Lei, enquanto realmente houve fiscalização, da Policia Rodoviária Federal e da Imprensa também.

Continue lendo